Sobre a Camila Quintana - Assessoria de Eventos

A Cerimonialista Camila Quintana é graduada em Comunicação Social - Bacharelado em Relações Públicas pela Unisinos. Concluiu o curso com Distinção com a abordagem do tema "Crise de Imagem de Pessoa Pública" baseado no case de Ibsen Pinheiro, buscando a problemática de soluções de crises e restabelecimento de imagem no mercado. Entre 2008 e 2010 trabalhou na área de Atendimento ao Cliente na empresa Claro assessorando em casos críticos para reversão de imagem da empresa. Posteriormente atuou na Central de Eventos na tradicional Associação Leopoldina Juvenil de Porto Alegre e no Clube do Comércio,junto à Barcelos Gastronomia, tendo ainda passagem como Coordenadora de Eventos no SESC Campestre. Após adquirir amplo conhecimento no âmbito de eventos e atendimento, sentiu necessidade de atender seu cliente de forma personalizada e da forma que acredita ser um evento: "Fazer evento é aproximar pessoas, compartilhar momentos... é encantá-las e fazê-las felizes!" Sejam Bem-Vindos a este mundo de sonhos!

domingo, 26 de fevereiro de 2012

Casamento Religioso fora da Igreja


A maioria dos casais que procuram um serviço de Cerimonial para Casamento nos dias de hoje tem, em sua maioria, o desejo de realizar a cerimônia religiosa (baseada na Igreja Católica Apostólica Romana) ao ar livre. Em conjunto com a recepção, num belo cenário montado em um campo ou algum outro lugar simbólico.
O que acontece é que desde 2011 após o Casamento Temático baseado no desenho do ogro Shrek e sua princesa Fiona, que escandalizou muitos padres da Igreja Católica e seus seguidores, a Igreja tornou-se mais radical referente à flexibilidade do casamento fora de seu templo.
De acordo com o código canônico da Igreja Católica: "A celebração, ordinariamente, (no caso, do casamento religioso) deve ser na paróquia de um dos noivos. se por circunstâncias particulares, se realiza em outra igreja (paróquia e não apenas igreja), dever-se-á providenciar a necessária transferência, de acordo com as normas canônicas”.
E ainda:
No item 7.2 – “o casamento religioso só se realizará em igrejas, capelas ou locais habituais de culto da comunidade. não é permitida a celebração do casamento religioso em residências, sítios, fazendas, clubes e outros lugares habitualmente não destinados ao culto”. E eu ainda acrescentaria: em locais ou mesmo capelas particulares ou oratórios, contíguos a salão de festas, “buffet”, onde não há ambiente religioso adequado.

Realmente, em contatos recentes com paróquias, a norma vem sendo seguida à risca, afinal, a Igreja também se trata de uma grande organização com hierarquias a serem respeitadas.
Porém, eu sigo acreditando no diálogo, considerando que no momento atual nenhuma religião pode ser tão radical em um mundo que permite tantas flexibilidades.
Neste sentido, diz o vigário-geral que atualmente atende à Diocese de Santa Cruz, padre Pergentino Pivatto, a orientação não é regra. “Se houver uma justificativa bem fundada, o bispo conversa com o pároco e juntos tomam a decisão mais conveniente. Quando os locais não são apropriados, aí a Igreja intervém.” Ele lembra que a decisão deve ser informada com antecedência. “Quando há tempo, tudo é dialogado. Na tradição da Igreja, o tempo para encaminhamento seria seis meses, mas pode-se encontrar um caminho digno e respeitoso para todos”, acrescenta.
O vigário salienta ainda que a Igreja enfrenta muitas dificuldades no mundo moderno e, assim como todos, precisa aprender a lidar com as situações. “Hoje a fé cristã já não faz mais parte da cultura de muitas pessoas. A cultura contemporânea é muito mais de fatos sociais e de acontecimentos”, lembra. “Não há remédios. O remédio é conversar. Não basta colocar normas, tem que compreender, participar. Tudo sempre passa pelo diálogo.”

Mas se ainda assim, mesmo através do diálogo não possamos  solucionar o impasse, outra alternativa é recorrer a outras igrejas, como a anglicana, ortodoxa, um pastor luterano, metodista, presbiteriano, etc. Estas igrejas tem um pensamento diferente da igreja Católica Apostólica Romana.
O importante é que o casal esteja de acordo e que desde este momento seja realizada uma das práticas mais frequentes em um casamento - cada lado ceder um pouco.

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Acontece em eventos...

Quem trabalha com eventos sabe que alguns imprevistos podem ocorrer. Há alguns mais óbvios que já estamos preparados, mas há aqueles que o anfitrião se nega a acreditar que possa acontecer... vamos a um exemplo: Os penetras ocorre mais em festa jovem, 15 anos, debutantes. A meninada fica sabendo da festa e acaba indo sem ser convidada pelo aniversariante. Sim, digo pelo aniversariante, porque alguém o convida o que é de extrema falta de educação.
Quando recebemos um convite para um evento, ele é direcionado a certas pessoas (já comentei isso aqui no blog, sobre a subscrição de convites e a quem ele é destinado). Não importa se a sua melhor amiga veio do Egito nesta data e estará na sua casa. Ela não foi convidada. Ela fica em casa. Nem pensar em pedir para a aniversariante estender o convite. E se você confirmou, vá à festa, a não ser que tenha tempo hábil para cancelar sua presença.
Bem, a solução para evitar este problema é a contratação de um cerimonialista que vai instruir a utilização adequada de hosters ou recepcionistas para o evento, conforme o número de convidados. Além disso, ter seguranças treinados (e educados) para conter os penetras que passem pela varredura da recepção do evento. Há todo um posicionamento dos profissionais para que isso não ocorra e que para o anfitrião nem fique sabendo.
Mas para isso, a lista de convidados deve estar 100% correta para não se gerar nenhum constrangimento.
Mas e se passar alguém indesejado? Não tenha vergonha de mandar retirar penetras de sua festa. Eles são os mal educados, uma vez que não foram convidados. Neste caso a cerimonialista deve conversar gentilmente com estas pessoas e pedir que se retirem .  Acredite, se sentirão constrangidos e irão embora. Caso não ocorra, vem o papel dos seguranças que devem “acompanhar”, exatamente  isso, estes não-convidados.
Porém hoje já contamos com as famosas pulseirinhas que não devem ter o lacre rompido, carimbos invisíveis, cartões magnéticos, adesivos luminosos. Tudo isso é válido e não se trata de exageros, pois um número a mais de convidados na sua festa pode gerar um custo ainda maior no final do evento.

domingo, 12 de fevereiro de 2012

Cabelos para 15 anos


Ainda que haja muita dúvida entre fazer uma festa ou realizar uma viagem ao completar 15 anos, há muitas famílias que optam pela tradicional festa, com valsa, vestido longo, anel e tudo mais que se tem direito neste dia de princesa.
O tradicional vestido branco segue sendo um clássico, sempre seguido de um vestido menos formal para uma segunda etapa da festa, quando os convidados invadem a pista.
Tudo isso se mantém. Mas as tendências de penteado variam.
Lembrando que o penteado deve combinar com o rosto da menina e também ser acertivo aos dois vestidos escolhidos para a festa. Isto também é válido para a maquiagem, pois o que se troca rapidamente na hora do evento, é a roupa para não deixar os convidados sem a atração principal por muito tempo, o que é extremamente deselegante.
Então, vamos às dicas de penteados para as aniversariantes/debutantes de 2012:
"Os penteados para debutantes que estarão em evidência em 2012 serão os presos em coque e os semi-presos. Os acessórios como tiara, flores, laços e jóias nos cabelos estarão presentes" diz Sonia Lupin, hairstylist.
E completa "tiaras colocadas no topo da cabeça formando um penteado “deusa grega” promete ser a sensação para 2012." De fato, a tendência suave de deusa grega vem com tudo. Lembrando que este penteado pede mais um cabelo "Gisele Bündchen" do que meninas super escovadas e na chapinha.
Sendo assim, seguindo a tendência mais natural, os cachos e os cabelos ondulados estarão em alta e consequentemente os penteados com cabelos cacheados também. Os penteados com os cabelos lisos aparecem, mas, em menor quantidade. As tranças também estarão presentes.
Uma dica importante é que o penteado deve estar bem preso, já que é normal que as meninas dancem e pulem muito durante a festa. É importante lembrar o cabeleireiro deste detalhe para não ter problemas com o seu penteado. Ou seja, pedir auxílio na hora da definição do que fazer, pois de nada adiantará você se sentir insegura com um coque, uma trança, um rabo de cavalo ou qualquer outro penteado escolhido.
Conforto sempre, mesmo ficando linda, meninas!

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

Curiosidades...

Você, noiva, sabe o motivos destas tradições:

Vestido de noiva:
A noiva veste-se de branco porque assim o faziam os romanos nos dias sagrados. Branco representa pureza virgindade e inocência. Já num mundo não tão ortodoxo, pode-se dizer que o branco mantém a pureza do afeto e a inocência encontrada no sentimento que une um casal.
Buquê:
O buquê teria surgido na Grécia como amuleto contra o mau-olhado, na sua confecção, era utilizado alho. Confeccione dois buquês: o primeiro, abençoado pelo sacerdote deverá ser guardado. O segundo, será lançado em direção às mulheres solteiras. Aquela que conseguir pegá-lo, terá a sorte de ser a próxima a casar. A noiva atira o buquê para repartir com os convidados sua felicidade.

Grinalda:
A grinalda faz com que a noiva  pareça uma rainha, diferenciando-a dos convidados. Quanto maior a grinalda, maior é o símbolo de status e riqueza. A grinalda se sobressaindo à calda do vestido, demonstra uma noiva bastante tradicional e oponente.

Véu:
Hijab (véu), quer dizer, em árabe, "o que separa duas coisas".
O véu da noiva significa separar-se da vida de solteira, para entrar em uma nova vida; a de esposa. Tradicionalmente, a noiva usa um véu que cobre seu rosto porque antigamente o costume era ocultar ao noivo a vista de sua futura esposa até a hora do casamento e também porque significava submissão ao marido. Hoje, mesmo simbólicamente, o véu divide dois momentos da vida da noiva, além de ser bem tradicional e manter um ar de mistério e delicadeza.

Arroz:
Jogar arroz nos noivos é uma tradição chinesa usada há dois mil anos. Esta atitude simboliza a fartura para a vida do casal e fertilidade.
Atualmente se jogam também pétalas de rosa, que reapresentam um futuro doce e pleno
.